Médico, pesquisador e escritor. Exerce a medicina em Lyon (França). Há mais de 30 anos trabalha com auriculoterapia, método de tratamento desenvolvido pelo Dr. Paul Nogier, seu pai.

Raphaël Nogier é Presidente do Glem (Groupe Lyonnais d’études médicales – Grupo Lionês de estudos médicos) grupo este que reune centenas de médicos.

Blog Article Figure
Prof. Dr. Raphaël Nogier

Ele é o autor de livros e dezenas de artigos médicos, e faz conferências por todo o mundo sobre Auriculoterapia.

ENTREVISTA COM DR RAPHAËL NOGIER – (Lyon, 01/12/2014)

Conte-nos um pouco sobre a história da Auriculoterapia, por favor.
A Auriculoterapia nasceu na França em 1951 porque um médico lionês, Dr. Paul Nogier, constatou na orelha de alguns de seus pacientes uma cicatriz. E, então, ele perguntava aos pacientes: “Porquê esta cicatriz na orelha?, e os pacientes respondiam: “Tenho esta cicatriz porque uma curandeira de Ma”rselha me fez isto para curar uma dor ciática”. Evidentemente, este paciente já havia também recorrido à outros médicos para curar a dor, porém era esta curandeira, Madame Barrin, que havia conseguido, com uma simples queimadura em uma região da orelha, curar, em alguns minutos ou horas, a dor ciática. E este fato é importante para a história da Auriculoterapia, porque foi neste momento que o Dr. Paul Nogier se interessou pela orelha. Depois, vendo que estes pacientes haviam sido curados, ele começou a testar em outros pacientes este mesmo ponto da Madame Barrin para tratar dores em geral, e ele percebeu que este ponto era eficaz somente para dor ciática. Ele fez então a relação deste ponto com a região lombar, e começou a se questionar se não haveria outros pontos relacionados à outras regiões do corpo.  Então ele descobriu, primeiramente, que a coluna vertebral tinha uma grande representação sobre a anti-hélix, em seguida ele percebeu que os membros eram representados sobre outra parte da orelha, depois ele descobriu as localizações das vísceras, depois do Sistema Nervoso. Ele demorou anos para descobrir estas correspondências entre todos os pontos do corpo e a orelha, e ele percebeu que a orelha era repleta de pontos e que era organizada de maneira somatotópica – semelhante à um feto de cabeça para baixo, ou seja, em baixo, o lóbulo da orelha, corresponde ao cérebro e encontramos também correspondência com o abdomem, o tórax, os membros  etc.
Dr. Paul Nogier fez então uma publicação em 1956, e esta publicação chegou à China, e a China começou o trabalho de acupuntura na orelha após esta publicação do Dr. Nogier. Desta forma, baseado no trabalho de Paul Nogier foi desenvolvida uma acupuntura auricular a partir de Shangai. Porém, os estudos do Dr. Nogier continuaram e foi modificada muita coisa em relação à localização dos pontos e então surgiram duas escolas muito diferentes: a escola chinesa que repousa sobre o trabalho de Dr. Paul Nogier de 1956, e uma escola francesa que evolui após este trabalho de 1956 – de tal forma que hoje percebemos cartografias diferentes da orelha, cartografias do padrão francês e cartografias do padrão chinês (que foram baseadas no primeiro trabalho de Paul Nogier de 1956).

E nestas duas escolas há uma abordagem diferente para o tratamento através da orelha?
Sim, completamente, na forma francesa de trabalhar não utilizamos as bases da medicina chinesa da acupuntura, como o yin e o yang. De forma alguma utilizamos esta noção do yin e do yang para pesquisar pontos da orelha.
É importante saber que a Auriculoterapia foi padronizada pela OMS, a nomenclatura dos pontos da orelha foram padronizados, começando em 1987 iniciou-se em uma reunião em Seul; continuou depois em 1989 em outra reunião em Genebra e em 1990, em Lyon, foi então conseguido finalizar este trabalho quando um grupo de experts vieram do mundo inteiro para padronizar 43 pontos da orelha.

Estes 43 pontos são os mesmos até os dias de hoje?
Estes 43 pontos foram padronizados sob o ponto de vista da nomenclatura, ou seja, definimos 43 pontos em números e nomes, mas evitamos dar para estes pontos correspondências muito precisas, voluntariamente ou não, deixamos assim para deixar evoluir as pesquisas, para que esta busca e especificação continuasse, pois os estudos dentro da auriculoterapia continuam até hoje.

E a sua história com a Auriculoterapia, Dr. Raphaël Nogier?
A minha história com a Auriculoterapia começou a partir de um curso que fiz, em 1977, com um aluno do meu próprio pai, chamado Rene Bourdiol. Bourdiol era assistente do meu pai, ele era um fisiologista, e foi ele que me ensinou a auriculoterapia, eu era um médico muito jovem, e eu fui conquistado! Logicamente eu já conhecia a auriculoterapia através do meu pai, mas muito pouco, só de vê-lo trabalhar. Somente depois que eu me tornei médico que eu tive um verdadeiro interesse sobre a técnica. Um dia, depois, eu escrevi juntamente com meu pai, em 1979, o livro “L’homme dans l’oreille. Eu que o redigi. E a partir de então eu comecei a trabalhar com meu pai, de maneira muito próxima, no seu consultório. Eu trabalhei com ele, em seu consultório, de 1983 à 1988, trabalhamos juntos durante 5 anos. Nós tínhamos consultórios lado a lado. Desta forma, eu tive a oportunidade de estar muito próximo do seu trabalho, eu conheci bem seu trabalho, seus hábitos, sua forma de pensar. Ele me fez evoluir em um sentido, talvez no sentido que ele desejava para a auriculoterapia, com uma mente aberta, porém com rigor. Porque Paul Nogier era rigoroso, mas era muito aberto. E foi em 1988 que eu me instalei em meu consultório sozinho e Paul Nogier morreu em 1996. Nós tivemos a oportunidade de fazer muitas coisas juntos, conversamos muito, pesquisamos juntos. E, em 1993, quando eu escrevi um pequeno livro sobre auriculomedicina eu pedi para ele fazer o prefácio do meu livro, e nele ele dizia que...ele me remetia à auriculoterapia...ele deixava a auriculoterapia e a auriculomedicina sob meus ombros, para que eu a desenvolvesse.

Qual é a diferença entre os termos auriculoterapia e auriculomedicina?
O termo “Auriculomedicina” é um termo muito ruim, que complica tudo, e que deve ser suprimido com o tempo.  A “Auriculoterapia” é o tratamento através de pontos no pavilhão da orelha, com fim terapêutico. E a “Auriculomedicina” é o emprego do pavilhão da orelha e do diagnóstico pelo pulso,  em busca de um reflexo que Dr. Paul Nogier encontrou, que se chama reflexo Auriculo-cardíaco, mas o termo “AURICULOMEDICINA” é um termo extremamente ruim.

E é por isto que a Escola no Brasil, se chama “Escola Raphaël Nogier de Auriculoterapia Clínica”- porém ela vai também englobar aquilo que se conhece como auriculomedicina?
Porquê  “Auriculoterapia Clínica”? Porque este termo permite que todo mundo seja capaz de compreender de que se trata, não há nenhuma ambiguidade nestes termos – Auriculoterapia já é um termo bem explicado (tratamento através do pavilhão da orelha) e Clínica também é um termo corrente e compreensível. Não há nenhuma ambiguidade! Enquanto que o termo “Auriculomedicina” é um termo muito ambíguo, todo mundo coloca dentro deste termo tudo aquilo que se imagina. Mas certamente na Escola Raphaël Nogier de Auriculoterapia Clínica nós falaremos do pulso, do reflexo auriculo-cardíaco e de como encontrar os pontos e os tratar com a ajuda deste reflexo.

Qual é a importância de encontrar os pontos através de pesquisa com detector elétrico?
Isto é extremamente importante! Certos pontos não são dolorosos na orelha. Eu fiz uma publicação em 2012 que prova que menos da metade dos pontos que são detectáveis eletronicamente são dolorosos, isto quer dizer que existem pontos que não são dolorosos na orelha, mas são patológicos, e que devemos tratá-los. Se nós fazemos somente uma pesquisa de pontos dolorosos na orelha, nós passaremos por cima de um outro tipo de ponto que são muito importantes, e estes pontos se quisermos descobrí-los, somos obrigados a ter um detector elétrico adequado.

Como o paciente pode reconhecer um bom auriculoterapeuta?
À princípio um bom auriculoterapeuta é um profissional da saúde, é alguém que estudou a fisiologia, a patologia, no seu domínio. Nós podemos encontrar excelentes auriculoterapeutas médicos, assim como podemos encontrar excelentes auriculoterapeutas fisioterapeutas etc, mas antes de tudo, tem que ter um “background” no nível da saúde. Sem isto não podemos nos intitular “Auriculoterapeuta”. Logicamente, após isto, a segunda coisa, é necessário ser bem formado em Auriculoterapia, e que haja escolas válidas. O problemas é que vemos no mundo inteiro, escolas aparecerem com pessoas que se intitulam “professores de auriculoterapia” e que não tiveram nenhuma bagagem em auriculoterapia.

 E porque a auriculoterapia é uma boa opção de tratamento para as pessoas?
Porque a Auriculoterapia, quando bem praticada, tem resultados inesperados na dor – chegamos a curar dores que nenhum outro conseguiu curar; não somente nas dores, mas em problemas que chamamos problemas funcionais, ou seja, problemas devido ao mal funcionamento de um órgão ou de um conjunto de órgãos. Assim como também tratamos os vícios: vício ao cigarro, ao álcool, à heroína (existe um programa especial para ser aplicado em hospitais especiais) etc.
Porque, então, optar pela auriculoterapia? Porque imaginamos que a medicina se desenvolveu à um nível suficiente para poder tratar de todas as doenças; porém isto não é verdade, nós, como médicos, não reparamos todas as doenças. Porque a medicina de hoje, hospital-universitária, é impotente diante de certas dores, e é impotente diante de alguns problemas funcionais.
A Auriculoterapia não é uma técnica de apoio, ela é uma fonte que permite tratar, sem efeitos secundários, ou sem grandes efeitos secundários, dores existentes há muitos anos e problemas funcionais que ninguém consegue resolver. A orelha é o único lugar do corpo que, aparentemente não serve para nada, mas funciona como uma saída de emergência para o indivíduo, ela nos serve para curar, e isto é um presente da natureza, um grande presente!

Qual é o objetivo da Escola Raphaël Nogier de Auriculoterapia Clínica no Brasil?
O objetivo desta Escola é desenvolver a Auriculoterapia através da abordagem ensinada pelo Dr. Paul Nogier que se dedicou à esta técnica por quase 40 anos. E o objetivo é de levar uma educação neste domínio para os médicos, e todos os para-médicos, os profissionais da saúde; uma educação que chegue o mais perfeita possível no paciente, que é nosso objetivo maior.

Como será a interação entre o senhor e os alunos brasileiros?
A minha interação com os alunos brasileiros será muito simples: existe uma interface – Larissa Bachir Polloni – é minha representante oficial no Brasil e, através dela, eu terei todo contato com os alunos brasileiros, da maneira muito simples e clara. E ela é responsável por organizar toda estrutura para desenvolver a Escola Raphaël Nogier de Auriculoterapia Clínica.

E , para finalizar, eu, Dr. Raphaël Nogier, agora gostaria de deixar uma mensagem à todos os alunos brasileiros que queiram se formar em Auriculoterapia Clínica, na Escola Raphaël Nogier – eu desejo à vocês boa sorte, e bons estudos, com a Sra. Larissa Bachir Polloni e equipe. Até breve!