A Auriculoterapia – uma técnica para doentes

A auriculoterapia é uma técnica de uso exclusivo nas pessoas com doenças ou disfunções e não em pessoas com boa saúde. Longe de ser uma trivialidade, esta afirmação é um ponto capital ao uso da técnica. Sempre que tratamos um doente através da orelha, é imprescindível que este último esteja em situação de desequilíbrio.

Uma dor periférica cria na orelha um ponto doloroso. Um problema funcional cria na orelha um ponto de menor resistência elétrica cutânea (REC). Se o doente é em equilíbrio, nenhum ponto aparecerá.

Esta constatação nos leva frequentemente à colocar nossos pacientes em desequilíbrio pois utilizamos pontos sem necessidade. Vejam em seguida alguns exemplos.

1. O programa anti-fumo

O programa anti-fumo é sem dúvida o tratamento auricular mais popular. Desde 1975, os primeiros protocolos foram propostos pelo Dr. Paul Nogier. Outros foram publicados na sequência. Todos eles partem do mesmo princípio: assim que o fumante entra em abstinência, isto vai causar um sofrimento cerebral que vai se expressar na orelha com o aparecimento de pontos de menor REC. É então imperativo, para conseguir um tratamento anti-fumo eficiente, solicitar que o fumante que venha para a sessão em estado de abstinência.

Ou seja, este paciente que quer parar de fumar deve se colocar em estado de desequilíbrio e parar o fumo durante algumas horas antes do tratamento de tal forma que veremos aparecer na orelha os pontos de menor REC. É por isto que é recomendado ver o paciente que quer parar de fumar nos primeiros horários de atendimento. Se o paciente fuma antes da consulta, os pontos não aparecerão mais e os que aparecem não são pontos que tenham relação com o fumo. Esta condição é essencial para realizar um bom tratamento.

2. Tratamento para emagrecer

Neste caso também, não podemos tratar um paciente obeso sem que este esteja em uma condição bem particular. O ponto mais importante é o do estômago localizado na hemi-concha superior da orelha esquerda justamente acima do ponto zero. A ação deste ponto já foi muito bem descrita em ratos pelos professores Shirashi e Ikézono. Eles mostraram claramente que este ponto age sobre o núcleo hipotalâmico da saciedade. Assim que um obeso é tratado neste ponto, ele terá uma sensação de plenitude gástrica, uma saciedade, uma impressão de bem-estar, como se ele tivesse acabado de comer. A detecção deste ponto se faz habitualmente com a detecção elétrica, e só pode ser possível se este paciente estiver em desequilíbrio, ou seja, unicamente em período de fome, antes de almoçar, pré-prandial. Se o paciente almoçou antes da sessão, já não será mais possível de encontrar o ponto do estômago. Desta forma, é melhor agendar a consulta deste paciente no fim da manhã, e não no começo do dia ou no início da tarde.

Alguns pacientes tem dificuldade de parar de “beliscar” e não conseguem chegar em situação de jejum de 3 ou 4 horas. Neste caso podemos marcar a consulta no inicio da manhã e deixa-los aguardando até o horário adequado da sessão, assim que eles chegam, podemos colocar agulhar chinesas no ponto Shen Men e deixar as agulhas durante duas horas, e em seguida tratar o ponto do estômago na orelha esquerda.

A agulha no ponto do estômago terá então a mesma ação sobre o hipotálamo que a refeição. A pessoa voltará para casa como se ela tivesse já almoçado. Sendo assim, sempre deve-se tratar o ponto do estômago para aqueles que querem emagrecer antes da refeição.

3. Tratamento de traumas emocionais e de traumas psíquicos

Há muito tempo sabemos que com a auriculoterapia podemos ajudar as pessoas que sofreram algum tipo de agressão, assalto, traumas emocionais ou físicos. Estes casos infelizmente são bem frequentes. Nós não conseguimos apagar o trauma, mas podemos atenuar os efeitos secundários. Quantas doenças funcionais, ou dores crônicas não são secundárias à violências de algum tipo?

O Dr. Daniel Asis da Argentina (Prêmio EIPN 2012) protocolou de maneira detalhada o procedimento que deve-se seguir em presença de um PTSD (Post Traumatic Stress Disorder). Toda a técnica repousa no fato de que os pontos auriculares “psíquicos” só aparecem quando o paciente evoca seu sofrimento. É então necessário solicitar ao paciente de fixar-se em uma imagem traumática e de disparar as emoções negativas ligadas à ela. Aparecem então os pontos sobre a linha do som, no lóbulo, e sobre as zonas correspondentes aos órgãos ligados à esta emoção: estômago se ele sentir “uma bola no estômago”, garganta se houver um “nó na garganta” etc. Este tratamento não será eficaz se o paciente não jogar o jogo e se fixar sobre uma imagem que poderá ser visual, sonora ou olfativa.

4. Tratamento de dores e inflamação

A consulta de auriculoterapia não é um “passeio em um rio tranquilo” pois nós devemos as vezes, no papel de auriculoterapeuta, tomar decisões que desequilibram o paciente para conseguir então o tratar. É o caso que acontece com frequência quando tratamento pacientes que tomam vários medicamentos. É importante sempre lembrar que os medicamentos anti-álgicos e anti-inflamatórios interferem na detecção dos pontos e/ou no tratamento por auriculoterapia. Os anti-álgicos perturbam a detecção de pontos dolorosos na orelha. O paciente não sentirá a dor da pesquisa de pontos. É por isto que, quando o terapeuta é médico, pode solicitar ao paciente que diminua a dose ou pare o anti-álgico antes da consulta. Isto é possível por exemplo para o paracetamol. Para os anti-álgicos como a morfina, isto é mais delicado. Os anti-inflamatórios, por sua vez, modificam a detecção elétrica. Se um paciente é tratado com 20mg/j de cortisona, é praticamente impossível de detectar um sinal elétrico confiável na orelha. Neste caso também teremos que administrar “a cabra e o repolho” (NT: um verbete francês).

Sendo assim, sempre que estivermos tratando doenças crônicas e inflamatórias, devemos incitar nosso paciente à diminuir progressivamente os tratamentos anti-inflamatórios (NT: sempre com autorização do médico responsável no caso de ser o próprio auriuloterapeuta), sempre controlando o estado do paciente pela pesquisa dos pontos na orelha.


Conclusão

No momento da sessão para este ou aquele tipo de doença, os medicamentos pode modificar a detecção dos pontos auriculares e modificar os resultados da auriculoterapia.


Voltar para Todos os Artigos